segunda-feira, outubro 18, 2010

Segundo filho



Essa promoção no trabalho me fez remexer algo que estava em standby e que agora está coçando minha catchola!Devo primeiramente deixar claro que sempre quis ter filhos, e sempre pensei em ter três. Mas, agora que já comecei estou pensando qual o melhor momento para se ter o segundo filho???? Sei, sei que é uma decisão muito pessoal e por isso mesmo das mais difíceis. E não é como decidir ter o primeiro não! O primeiro filho faz parte daquele sonho de menina, daquela idéia internalizada de ter um herdeiro, alguém para deixar a coleção de borrachas cheirosas e bolinhas de gude (Acredite se quiser! É essa a herança que eu e marido já deixamos para o adorável Igor!). Pode vir planejado ou não,mas é aquele "continuum" tipo quinze anos, vestibular, formatura, casamento...
Eu sei que o que deve ser determinante é a vontade, o desejo, mas há tantas controvérsias. A decisão pode ser bem complexa. Vejamos do ponto de vista financeiro: no início outro bebê até que não é tão dispendioso se pensarmos em enxoval. Podemos aproveitar bastante coisa como roupas, banheira, carrinho, bebê-conforto, berço... Mas, e plano de saúde, e vacinas não SUS, e escola? Não dá pra dividir, né? Há que se pesar. Tá certo que recebi um aumento, mas ele não é progressivo e logo, logo estará defasado. E sinceramente, não concordo muito com aquela máxima que onde come um , come dois, dez, sei lá. Necessidades básicas dá-se um jeito, mas e o diferencial que poderemos proporcionar aos nossos filhos?
Outro quesito é tempo. E quem disser que a gente faz o tempo é porque não tem filhos ou já desenvolveu uma habilidade específica que eu realmente ainda não desenvolvi. E gostaria, juro! Mas, simplesmente não dá tempo! Eu sabia que um filho exige tempo e dedicação, mas confesso que não sabia que era tão demandante. Uma delícia, mas muito demandante. Com ajuda ou sem ajuda. Aliás descobri que também sou mais egoísta que pensava e desejaria. Pra mim foi muito louco não ter tempo pra mim. Talvez seja minha possessividade, essa coisa doentia eu sei, de não confiar em quase ninguém pra deixar cuidar do Igor, de querer estar com ele em todas as suas descobertas. Mas faz falta essa sensação mesmo que fulgaz de liberdade, de se pertencer. E já pensou com outro solicitando atenção?! Estou num momento que deve durar até o início de 2012 de muita atividade. Estou estudando, muito puxado... Talvez fosse melhor adiar pra depois de 2012, só que aí vem outro detalhe. O relógio biológico! Sim, minha gente, não tenho mais 20 aninhos e isso faz uma enorme diferença! Tenho 32, quase 33, em 2012, 34. Contando que pare de tomar o remédio e engravide em seguida serei mãe novamente com 34, 35... Pro segundo vai bem, mas aí o terceiro já fica prejudicado.Será que meus óvulos aguentam esperar? Sem contar que o nosso pique já dá uma boa diminuída. e pra correr atrás de nenê tem que ter muito fôlego!
Outra coisa importantíssima é a sintonia com o companheiro, marido, papys! Ele tem que querer e estar muito disposto também. O casal tem que estar numa harmonia mínima. Digo mínima porque o primeiro filho pela inexperiência e pelo estresse inicial dá uma revolvida. E pode demorar um pouco até que os dois estejam no prumo, com as emoções tranquilas e afinadinhos como era antes do primogênito (geralmente). Além disso, antes do primeiro, a gente conhecia o marido no papel de marido e não de pai. Agora já conhecemos o pai- marido e isso pode ser um pouco encabulante. Não estou reclamando. Meu marido ajuda no que pode, no limite dele, mas acho que homem não atende as exigências das expectativas maternas. E isso pode dar uma descrença de pensar nas lutas que terão de ser travadas pra que ele entenda que às vezes terá que deixar de ir naquele jogo de futebol tão amado para que a esposa-mãe possa tomar um banho decente!! Ai, ai...
Outra coisa é que estudos recentes mostram que o tempo necessário para que o corpo da mulher se recupere totalmente das várias mudanças causadas pela gestação é de 2 anos.É muito hormônio, quase uma TPM de 40 semanas!
E o ponto de vista do irmãozinho. Qual a diferença de idade ideal? Muito próxima eles crescerão juntos, as fases passarão juntas. Mais distante, pode surgir, ciúmes, disputa, regressão no comportamento.
Será que é muita nóia pensar em tantos pormenores assim? eu acredito que tudo é a vontade de Deus, mas acredito muito também no nosso poder de decisão. Por isso sigo rezando para que Deus me ajude a saber a hora certa, mas do resto eu cuido direitinho.. A vontade já está pintando, principalmente quando o baby corta o cabelo e fica com aquela cara de rapaz. Aí fico querendo nenê de novo!!!



Olha lá em cima da prateleira, do lado do ursinho, a herança do Igor. Bolinhas de gude que foram do papai e borrachas que foram da mamãe!

3 comentários:

Maikely disse...

Tem selinho pra vc no meu Blog, passa por lá! Bjokas

Chris Ferreira disse...

Oi Cairenne,
cheguei aqui pela indicação de selinho da Maikely.
Adorei o seu blog.
É uma decisão difícil mesmo. Eu levei 5 anos para tomá-la e depois me arrependi de ter demorado tanto. MAs cada uma sabe da sua realidade, né?
Sei que filho é muito bom, né?
O seu é uma graça.
Nossa, legal ter guardado coisinha de vocês para os filhotes. Eu não guardei nada meu. Que peninha!
Adorei passar por aqui, pretendo voltar mais vezes.
beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

Andrea Nunes disse...

Olha só, a decisão do segundo é muito difícil mesmo. Eu fui adiando, adiando e hoje tenho uma filha que fará oito anos mês que vem e uma bebezinha de dois meses. Mas estou adorando essa diferença delas, tem sido bem tranquilo.

Teu filhote é um fofo.